RMA Trends

Empresas B2B devem estar nas redes sociais?

15 de agosto de 2016

Topics: ambiente digital


Compartilhe:    

rma-digital-s3-b2b-redes.png
A relação entre comunicação B2B e as redes sociaisnão é a das mais claras no primeiro olhar. Muitas empresas desse setor ainda têm dúvidas sobre entrar ou não nesses canais e, uma vez lá, como conduzir uma comunicação efetiva de fato?

Acontece que as primeiras perguntas a serem feitas não são essas. Você precisa, antes de mais nada, definir com quem você quer falar. Quem é o seu público? E isso vale tanto para o B2B como para o B2C já que ambos os mercados envolvem sempre uma oferta ou serviço e alguém interessado.

Parece batido, mas o fato é que o mundo mudou. A comunicação não se difere mais de acordo com o segmento. Um estudo da Brandwatch de 2015, por exemplo, mostra que as empresas B2B nos Estados Unidos e Reino Unido estão mais presentes nas redes. 76% das marcas pesquisadas possuem contas no Twitter ou no Facebook.

No fundo, são empresas falando com pessoas – sejam elas consumidores finais ou não.

Público definido, e agora?

Feito o mapeamento da audiência, comece a pensar nas ações de comunicação. E aqui, não importa qual será o caminho, desde que a mensagem seja entregue.  Se será no Facebook, no LinkedIn ou em um blog é indiferente. O formato muda, a mensagem, não.

A comunicação B2B é um desafio, não vamos negar. Mas, como todo desafio, ele tem solução. As redes sociais são, sem dúvidas, um bom caminho para interagir com seu público. No entanto, as empresas que ainda estiverem presas à ideia de falar sempre de si mesmas estão fora do jogo.  Hoje, quem dá as regras é o usuário.

Somos expostos à uma imensidão de conteúdo todos os dias pelos mais diferentes meios: desde a televisão e o rádio até o feed do Facebook ou o grupo da família no WhatsApp. Certamente não queremos ouvir (ou ler, ou ver) que mais uma empresa é líder no setor. Não é isso que conquista audiência.

Então, como criar interesse?

O que todos querem, de fato, é informação relevante. E isso não quer dizer algum conteúdo “de valor” ou novidade da sua empresa. Quer dizer que o usuário deseja consumir o que lhe desperta interesse. Este é o grande ponto. O principal objetivo da comunicação B2B hoje é esse: entender o que sua audiência busca e criar um relacionamento de confiança com o público. As empresas precisam estar dispostas a sair da zona de conforto e mudar.

Aqui surgem duas notícias, uma boa e uma má. A boa? Existe muita oportunidade em mídias sociais para empresas B2B. A má? Entrar nesse meio não é fácil e exige uma mudança brusca de comportamento. A empresa deve estar disposta a criar relacionamento e, principalmente, a falar de outros temas que não os próprios. A Intel tem um bom exemplo nesse sentido. Em 2013, lançou, em parceria com a Toshiba, a websérie “The Beauty Inside” – aqui tem o teaser.

A empresa, que não fala diretamente com o consumidor final, conseguiu despertar o interesse ao se apropriar de um tema (a beleza de dentro). Descobriu um gancho relevante para falar com o público final e o explorou da melhor forma possível. O mote não tem ligação explícita com a Intel, mas, o que faz mais sentido para uma companhia como essa do que dar valor para “o que está dentro”?

Mas, tem receita para isso?

Não existe uma fórmula para gestão de redes sociais. Nem para B2C, nem para B2B e nem para ninguém. A sua presença digital deve ter personalidade, não tente repetir estratégias de outras empresas ou concorrentes, porque cada caso é muito particular. Teste sempre, até porque o que funciona hoje, talvez não seja efetivo amanhã. Lembre-se que no meio digital, as mudanças são rotina.

Busque entender quais são os valores mais intrínsecos da sua empresa. Qual é a essência? E pense na melhor forma de explorar esses temas nas plataformas digitais. Crie relações entre o que sua companhia acredita e pratica com os movimentos e tendências de mercado. O assunto da vez entre seu público de interesse são os jogos olímpicos? Pense então: O que a sua empresa pode falar sobre o tema? Com o que ela pode colaborar?

Percebeu como o movimento agora é inverso? A ideia é buscar no mercado, na imprensa, nos meios digitais, os assuntos mais comentados do momento para tentar trazê-los para sua realidade. Agora, é a sua empresa que quer participar da conversa dos usuários.

Outra dica interessante é mapear os influenciadores do seu mercado de atuação. Identifique quem são as pessoas que inspiram e motivam seu segmento e tente se aproximar delas – seja por uma ação de marketing ou uma simples mensagem no LinkedIn.

As possibilidades são inúmeras. As oportunidades também. Mas o momento é agora. As empresas B2B que estiverem dispostas a fazer algo diferente têm grandes chances de sair na frente. É esse o seu caso?

Passo_Passo_Engajar_novo_consumidor

SIGA

Assine

EBOOKS

Nova call to action
Nova call-to-action
New Call-to-action

ÚLTIMOS POSTS