RMA Trends

Fatos e mitos acerca da participação das empresas nas redes sociais

20 de agosto de 2014

Topics: redes sociais


Compartilhe:    

IMG_Post_Fatos_e_mitos_acerca_da_participação_ativa_das_empresas_nas_redes_sociais

 

Participar ativamente das mídias sociais é inevitável para todas as empresas – B2B e B2C. Fortalecer sua marca, atrair novos clientes, estreitar o relacionamento com os atuais e expandir seus negócios são apenas algumas razões para estarmos presentes nas redes sociais. No entanto, para estabelecer uma presença de sucesso, muito mais do que apenas postar conteúdos todos os dias, é preciso estar atento a como os consumidores têm se comportado diante dessas mídias, para não executar ações de comunicação baseadas em mitos.

Assim como o próprio mercado, as redes sociais estão permanentemente em transformação, de maneira que não existe uma verdade absoluta quanto à utilização desses meios pelas corporações. Se, em um momento, é fato que sua empresa terá maior visibilidade em determinada rede, em outro, uma nova mídia social pode lhe ser mais adequada. Por isso, é fundamental estar sempre atualizado quanto às possibilidades de uso das redes conforme os objetivos da empresa. Principalmente, é preciso elaborar estratégias específicas para cada caso.

As redes sociais mais utilizadas

Diante de um vasto número de redes sociais existentes, é possível destacar algumas particularidades das mais utilizadas pelas empresas em suas ações de comunicação e marketing. No entanto, vale ressaltar que um dos primeiros pontos a serem considerados antes da escolha dessas mídias é o público com quem ele quer dialogar.

Imagine uma marca B2C que quer conversar com adolescentes (que usa os seus produtos) e mães (que compram), por exemplo. Estar presente no maior número de mídias sociais possível – Snapchat, Facebook, Instagram, YouTube, Twitter, etc. – parece ser o mais indicado desde que ela entenda o formato e a linguagem de cada uma delas, expondo e trabalhando seu relacionamento com o seu público-alvo. Já por outro lado, se nosso exemplo fosse uma empresa B2B (Business to Business), ao contrário do que se pensa, ações mais focadas fazem mais sentido, uma vez que seu público-alvo geralmente está em um âmbito mais restrito. 

FACEBOOK

 

É a rede social com mais usuários ativos, e engana-se quem pensa que ele está morrendo. Especialmente para negócios B2C, o Facebook tende a ser uma ótima ferramenta e ainda lidera o ranking de mídia que gera maior engajamento. Todavia, não é só porque “todo mundo” está nessa rede que ela é a mais adequada para o seu negócio. Somente um bom planejamento estratégico de comunicação será capaz de identificar onde está o público para o qual sua empresa quer falar e qual a melhor linguagem utilizar para ser ouvida.

É mito também achar que criar uma conta no Facebook faz com que a percepção sobre sua marca melhore no dia seguinte ou que suas vendas aumentem imediatamente. Antes de ser um espaço para propaganda, as redes sociais têm como foco principal o relacionamento com pessoas que se interessam ou podem vir a se interessar pela sua empresa, pelo que ela compartilha e defende, por seus valores. Além disso, elas proporcionam discussões que gerem melhorias nos produtos e serviços, de forma sutil e sem imposições da marca.

Ao mesmo tempo, é importante notar que o Facebook também tem investido em mudanças às quais a empresa deve estar atenta, a exemplo das mudanças de API que influenciam a exposição orgânica (sem investimento de mídia) das marcas. A ação de comunicação, por sua vez, deverá sempre buscar a melhor forma de se adequar considerando seus objetivos.

LINKEDIN

Por muito tempo, essa rede social foi utilizada somente para cadastro de currículos e busca de oportunidades profissionais. O perfil do usuário, contudo, tem mudado, incluindo também cada vez mais corporações, que criam páginas de suas empresas (company pages) e para divulgar sua imagem e mensagem. Nesse sentido, o LinkedIn se configura como um ótimo espaço para negócios B2B, uma vez que não só facilita o networking entre profissionais e empresários com poder de decisão como permite a interação entre pessoas influentes de todo o mundo.

Uma das maneiras de desenvolver o marketing digital da empresa e gerar leads qualificados é participar dos grupos, que possibilitam discussões e troca de informações relevantes para cada negócio. Também é importante combinar sua company page com a publicidade do LinkedIn para dar aumentar a voz à marca e alcançar potenciais leads ou talentos, dependendo de seu objetivo. 

TWITTER

Um dos mitos acerca dessa mídia é que ela tem perdido força nos últimos tempos. Pelo contrário, há um novo público usuário da rede social, mais jovem e que gosta de acompanhar dicas e promoções postadas por perfis de empresas que lhe agradem. Além disso, trata-se de um público que frequentemente se posiciona quanto aos produtos e serviços oferecidos – tornando o Twitter uma espécie de SAC online para a empresa. Esses usuários também participam de ações interativas, a exemplo de grandes eventos e campanhas, programas televisivos e crossmedias, tornando a rede uma segunda tela. Com a estratégia certa, é um bom meio para se comunicar com o cliente.

FOURSQUARE

Utilizada por meio de um aplicativo mobile, ficou conhecida pelo “check-in”, ou seja, por informar onde a pessoa está, além de fornecer dicas sobre o local. Um exemplo claro de que as redes se modificam o tempo todo, é que, há algum tempo, o Foursquare passou a ser uma plataforma para abrigar dicas de estabelecimentos e lugares, enquanto que o check-in ficou por conta de outra mídia social, o Swarm. As empresas, portanto, tiveram de repensar sua estratégia.

TWITTER INSTAGRAM

Selfies, a vista da janela e o prato do dia facilmente dominaram o universo dessa plataforma que utiliza a fotografia como conteúdo compartilhado. Mas quem poderia imaginar que esta também seria uma ótima ferramenta para as empresas?

Atualmente, é fato que muitas delas apostam na postagem de imagens para divulgação de sua marca – e que prato cheio, não? Criatividade, uso de hashtags, propagação de valores, revelação de bastidores da produção e links com outras mídias sociais são algumas das estratégias utilizadas nessas redes, que funcionam principalmente para as B2C. Já para as B2B, elas são um desafio, exigindo ainda mais criatividade e um posicionamento mais voltado ao conceitual. 

SLIDESHARE

Já o compartilhamento de apresentações com slides é mais propício para negócios B2B, uma vez que esse é um excelente meio de se comunicar com outras empresas, expor argumentos, métodos, ilustrar pesquisas e resultados, entre outras atividades que podem colocar sua organização como referência no assunto através do conteúdo publicado. O desafio, por outro lado, é posto para as B2C. 

Afinal, o que pode ser considerado fato e mito para minha empresa?

O fato é que não existe uma receita que sirva para todas as empresas. Antes de iniciar as ações de marketing digital, é imprescindível que se faça um estudo sobre o que se espera de uma participação ativa nas redes sociais, elaborar um planejamento estratégico de comunicação, avaliar os objetivos da marca, além de definir quem é o público que pretende atingir. Uma ação em determinada rede social que vale para uma empresa não necessariamente valerá para outra.

Passo_Passo_Engajar_novo_consumidor

SIGA

Assine

EBOOKS

Nova call to action
Nova call-to-action
New Call-to-action

ÚLTIMOS POSTS