RMA Trends

Sinais que mostram que sua empresa não está preparada para uma crise

18 de Março de 2015

Topics: crises


Compartilhe:    

Por mais sólido, admirado, consolidado e moderno que uma marca seja, imunidade à crises é algo que não existe. Por isso, um plano de ação é tão importante, mesmo que ele não saia da gaveta, prever e simular uma crise é essencial para a sobrevivência de  qualquer empresa.

Sinais que mostram que sua empresa não está preparada para uma crise

Uma crise mal gerenciada ou negligenciada pode colocar em risco anos de construção de marca e dizimar qualquer credibilidade. Neste artigo, abordaremos 6 questões que possam fazer a diferença para sua empresa passar e superar adversidades.

Você tem um plano de crise?

Manter a calma é o primeiro passo numa crise. Ela irá fazer com que que não haja descontrole e precipitação nas tomadas de decisões. O plano fará com que sejam apontados os porta vozes com maior habilidade para conduzir uma crise, mapeará as possíveis crises dentro do negócio da empresa, o fluxograma da informação, públicos que devem ser avisados, as pessoas que farão parte do comitê de decisão e trará um plano de ação na comunicação para cada caso apontado. O objetivo é traçar o caminho da crise dentro da empresa, com papéis muito bem definidos para que todos saibam onde deverão atuar com assertividade.

Cadê a agilidade?

De nada adianta ter um plano de crise se a empresa é burocrática nas tomadas de decisões. Programar antes o que fazer diante de imprevistos, facilita a ação e o delegamento imediato sobre o que deve ser feito, mas demorar para agir coloca em risco todo o processo. A primeira questão em relação a velocidade é: a empresa reconhece uma crise, e a aceita? A demora em aceitar que está diante de uma crise, não só prolonga o processo, como dá espaço para que a imprensa e as redes sociais tomem as rédeas da situação por você. O tempo de resposta numa crise é o ponto crucial entre o fracasso e o sucesso.

 

A sua empresa tem um porta-voz eficiente ao tratar da questão?

Nem sempre a primeira pessoa na hierarquia é a pessoa correta para ser a voz da empresa na crise. Pode ser que um diretor ou até mesmo um gerente de alguma área específica tenha todas as habilidades para assumir o cargo de porta-voz na crise. O primeiro requisito para ocupar esse posto é conseguir manter a calma para poder conseguir ouvir, segundo deve ter muito conhecimento a respeito de organização, por último é saber argumentar, sem parecer que está fugindo de perguntas difíceis. O porta-voz é uma das principais figuras em uma crise, pois ele é o elo entre a empresa e o que é transmitido ao público.

Atenção aos seus públicos

Os colaboradores é o mais importante público que a empresa, numa crise, deve se preocupar. Porém, há outros como fornecedores, parceiros e investidores que também devem ter um plano de ação muito bem definido. É fundamental passar a eles as informações corretas e atualizadas do andamento da crise, são eles que irão defender a marca e ajudar a empresa a superar a turbulência. Todo o fluxograma da informação estará detalhado no plano de crise, item 1, e deverá ser seguido a risca para que não haja falhas na comunicação interna. Estas informações são necessárias para que todos se mantenham informados a respeito do que está acontecendo e o que está sendo feito para solucionar a situação, bem como o que os funcionários devem fazer durante este tempo, seguindo um plano preestabelecido.

A tal da transparência

Falar a verdade nem sempre é fácil, porém, numa crise, a transparência é o que determinará a eficiência das ações. Nunca comece a se pronunciar querendo esconder os fatos. Uma vez na mentira, não conseguirá se livrar dela sem dar início a uma outra crise. Além disso, o que está em jogo é a credibilidade da empresa, esconder fatos não é o melhor caminho para estabelecer novamente a confiança do mercado. Sem contar que hoje, com as redes sociais, é muito fácil qualquer tipo de informação vazar, afinal a maioria de seus colaboradores estão nas redes sociais, e a imprensa, sem dúvida, os monitora. Sendo assim, ser transparente é crucial numa crise.

Você sabe monitorar a repercussão da crise?

Você sabe o que estão falando de você em um momento desses? É de suma importância que o departamento de comunicação esteja participando do comitê de crises pré-selecionado e com diretrizes bem elaboradas, pois neste momento é fundamental o empenho deste setor em perceber o tamanho do impacto causado por um problema, seja esse feedback vindo da grande mídia ou das redes sociais. Monitorar para elaborar ações que ajudem a resolver os questionamentos é algo primordial no intuito de pacificar o quanto antes as questões.

Caso ainda haja dúvidas sobre o assunto, compartilhe seu comentário. Sugestões e opiniões que implementem a temática também serão bem-vindos.

PEC - Ebook - Como criar um planejamento de comunicação alinhado à estratégia de negócios

 


SIGA

Assine

EBOOKS

Nova call to action
Nova call-to-action
New Call-to-action

ÚLTIMOS POSTS